10/31/2010

FENOMENOLOGIA E PESQUISA EM EDUCAÇÃO: O CASO DA ESTÉTICA DA SENSIBILIDADE NA FORMAÇÃO DOCENTE

Gidalti Guedes da Silva [1]
Maria do Carmo dos Santos [2]

RESUMO: O objetivo deste artigo é apresentar os conceitos elementares do método fenomenológico, enquanto referencial teórico-metodológico da pesquisa com tema A estética da sensibilidade como princípio educacional na formação docente.  Primeiramente, o interesse pelo tema é justificado, e fica estabelecida a relação entre o objeto e o método proposto, uma vez que o pensar a estética da sensibilidade como princípio educacional pressupõe o humano como fenômeno complexo, observado na sua integralidade, e parte do reconhecimento de uma dimensão estética do ser humano como elemento relevante na formação do sujeito e nos processos educativos que ocorrem no espaço da escola. A seguir, a Fenomenologia é apresentada como teoria do conhecimento, o qual se firma nos processos intencionais da consciência, numa relação indissociável entre sujeito e objeto, evidenciando a questão da subjetividade na pesquisa científica. A ontologia existencial de Martin Heidegger demonstra como estas estruturas a priori do sujeito são elementos que se constituem na sua própria existência no mundo (Dasein). Por fim, são conceituados os três passos do método fenomenológico, pensados na relação com a pesquisa em desenvolvimento. O primeiro passo do método consiste na intuição, isto é, no ato de consciência pelo qual o fenômeno está intencionalmente presente à consciência. O segundo passo é a redução fenomenológica (epoché), quando o pesquisador se torna objeto, ao colocar sob suspeita as conclusões e pré-conceitos que possam, de algum modo, impedi-lo de ver o fenômeno tal como se apresenta. O último passo é a ideação, onde o fenômeno é observado de modo integral na intenção de reconhecer suas essências. Isto é, tendo como recorte o tema da estética da sensibilidade, buscar-se-á compreender as estruturas de significação dos docentes, na relação com seu contexto vivencial.

Palavras-chave: fenomenologia; método fenomenológico; estética da sensibilidade; formação docente.



REFERÊNCIAS
Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: introdução aos parâmetros curriculares nacionais / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998. 174p.
CASTRO, Dagmar Silva Pinto de. “A articulação do método fenomenológico com as ciências humanas: a proposta do Fenpec-Umesp”. In: CASTRO, Dagmar; ÁZAR, Fátima; PICCINO, Josefina; JOSGRILBERG, Rui (ORGs). Fenomenologia e análise do existir. São Bernardo do Campo: UMESP/SOBRAPHE, 2000. p.41-64.
GIDDENS, Anthony. Sociologia. Porto Alegre: Artmed, 2010.
GUERRA, Isabel Carvalho. Pesquisa qualitativa e análise de conteúdo, sentidos e formas de uso. Parede – Portugal: Princípia, 2008.
HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo. Petrópolis/Bragança Paulista: Vozes/Editora Universitária São Francisco, 2006. 598p.
Josgrilberg, Rui de Souza. “O método fenomenológico e as ciências humanas”. In: CASTRO, Dagmar; ÁZAR, Fátima; PICCINO, Josefina; JOSGRILBERG, Rui (ORGs). Fenomenologia e análise do existir. São Bernardo do Campo: UMESP/SOBRAPHE, 2000. p.75-93.
PEGORARO, Olinto A. “Ética e sentido da existência”. In: CASTRO, Dagmar; ÁZAR, Fátima; PICCINO, Josefina; JOSGRILBERG, Rui (ORGs). Fenomenologia e análise do existir. São Bernardo do Campo: UMESP/SOBRAPHE, 2000, p.33-40.
RIBEIRO JR., João. Fenomenologia. São Paulo: Pancast, 1991. 93p.
ROVIGHI, Sofia Vanni. História da filosofia contemporânea. Do século XIX à neoescolástica. São Paulo: Loyola, 1999. 662p.
STEGMÜLLER, Wolfgang. A filosofia contemporânea: introdução crítica. São Paulo: EPU, 1977. 554p.
SZYMANSKI, Heloisa (Org.); ALMEIDA, Laurinda Ramalho; PRANDINI, Regina C. A. Rego. A entrevista na pesquisa em educação: a prática reflexiva. 3 ed. Brasília: Liber Livro, 2004. 99p.
TROJAN, Rose Meri. “Estética da sensibilidade como princípio curricular”. Cadernos de Pesquisa [online]. 2004, vol. 34, n. 122, p. 425-443. Disponível em: acesso em: 08/06/2010.



[1] Teólogo e Especialista em teologia-história pela Universidade Metodista de São Paulo (UMESP). É aluno-pesquisador do Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Rondônia (UNIR). Apoio financeiro: Capes. E-mail: prof.gidalti@gmail.com
[2] Psicóloga, Mestre em História pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e Doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atualmente, é Avaliadora do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP) e Professora da Universidade Federal de Rondônia. Orientadora. E-maill: professoramc@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pesquisar este blog